2 de ago de 2012

Um sorriso na face não impede que o interior esteja absolutamente vazio!
Já passamos do meio de 2012: estamos vivendo no que podemos chamar de “futuro”!!! Diante de tantas expectativas registradas no decorrer da história humana, podemos ter a certeza de que isso aqui é… a mais completa decepção.
Não quero dizer isso em relação aos avanços tecnológicos (apesar de estar esperando até hoje pelos carros voadores de “Os Jetsons”), mas sim ao observar o quanto o potencial humano se degradou com o passar do tempo.
Um exemplo que grita aos ouvidos: imaginar um Bach ou um Beethoven, em sua época, compondo, nota por nota, cada trilha, de cada instrumento, para suas obras musicais — quase sempre histórias contadas com melodia, harmonia, ritmo… — e o lixo rítmico mântrico gutural, geralmente feito por computador, que ofende nossos “ouvidos do futuro” com suas histórias vulgares e vazias — Quem desassocia o significado de “tchu” e “tcha” das onomatopeias relativas à consumação do ato sexual? Só uma sociedade alienada é capaz de ver um homem velho cantando “ai se eu te pego” para uma criança e achar isso engraçado, quando, na verdade, é praticamente um estímulo público para que se pratiquem coisas como fornicação, adultério e pedofilia… isso sem mencionar toda a podridão que define a macumba mântrica pornográfica e violenta que, no Brasil, é erroneamente chamada de “funk”!
Outro bom exemplo? A mente humana.
Quando, nos primórdios, as pessoas sabiam pouco pela real falta de conhecimento científico, ainda assim aplicavam suas mentes e esforços em ideias e invenções que revolucionaram o mundo.
Hoje, com tantos recursos disponíveis, temos mentes relaxadas que se aplicam principalmente em absorver cultura inútil da forma mais conveniente possível.
Não quero dizer com isso que as primeiras invenções também não tinham por objetivo facilitar a satisfação dos anseios humanos, porém não tem como comparar, por exemplo, um ventilador ou um mero pregador de roupa com um novo site de relacionamento ou um novo modelo de telefone celular: as primeiras, por mais adições que sofram, continuarão sendo basicamente as mesmas e úteis enquanto o mundo existir, já a celebrada “tecnologia de ponta” das últimas acaba sendo volátil e com durabilidade inversamente proporcional ao valor que lhes é atribuído.
De modo prático podemos dizer que o facebook vai passar enquanto as pessoas continuarão precisando de pregadores de roupa e velas e, pior ainda, a ausência de composições e invenções verdadeiramente úteis e originais pode ser um sinal de que o prazo de validade desse mundo está prestes a expirar.
A ilustração que escolhi para a abertura desse texto resume com exatidão o mundo e a sociedade em que vivemos hoje: o sorriso pode até aparecer na face, mas o interior está absolutamente vazio.

13 de jun de 2012

Tenho observado que existe um tipo de “conversinha” aparentemente cheia de boas intenções que, no final das contas, se revela repleta de pequenas malignidades e deturpações — uma verdadeira “mistura de estações” — servindo para impor e concretizar a apostasia profética final.
Os episódios que presencio são, geralmente, em língua portuguesa do Brasil, mas me parece que esse fenômeno está ocorrendo por todo o mundo: gente que até aparenta piedade (alguns se esforçando para isso, outros nem tanto…), revestida de falsa razão e se recusando até mesmo a considerar as argumentações contrárias, por mais fundamentadas na Palavra que possam ser!
Uma das frases mais “desafiadoras” que esses legítimos filhos do inferno utilizam para “confrontar” aqueles que discordam de suas práticas satânicas é mais ou menos essa:
“Você (que confrontou / expôs / discordou de qualquer uma das minhas práticas, por mais biblicamente abjeta que isto possa ser) já jejuou quantos dias neste ano? Quanto tempo por dia você fala ou passa com o Senhor?”…
Pode parecer uma simples questão de confronto, mas há uma legítima armadilha dos infernos contida nessa pergunta… e alguns correm risco por não saber discernir e nem se esquivar.

10 de mai de 2012

respeitoaoateu
Não sou de discutir com os ateus — é um direito deles que se recusem a crer em qualquer coisa que se relacione ao Senhor Deus e, uma vez avisados, que assumam as consequências por suas opções (pois seu sangue não clamará em minhas mãos) — acho muito ruim quando uma pessoa (tentando ser “cristã”) fica funhenhando a paciência de alguém (não apenas os ateus!), querendo enfiar sua fé goela abaixo de quem quer que seja!
A própria Bíblia ensina:
“Ao homem herege, depois de uma e outra admoestação, evita-o, Sabendo que esse tal está pervertido, e peca, estando já em si mesmo condenado.” (Tito 3:10-11)
Até pouco tempo atrás, costumava ficar muito indignado quando um ateu (ou qualquer um com outra crença… ou descrença…) vinha com aquele papinho acusativo sobre os cristãos e as cruzadas, os horrores da inquisição… sempre via nisso uma tentativa de se fazerem de vítimas…
Caramba! Esses episódios foram causados por conta de homens corruptos e gananciosos, baseados em interpretações errôneas e deturpadas de passagens bíblicas: é altamente improvável que nos dias de hoje apareça algum ser tapado que não compreenda os fatores cronológicos e específicos inseridos no texto bíblico… ou não?

23 de abr de 2012

Esta é, em sete anos, a primeira vez que apareço em vídeo e dedico essa postagem às tantas pessoas que usam o termo do título — dar a cara a tapa — como se “mostrar a cara” fosse garantia de idoneidade e de se estar falando a verdade: hoje temos muita gente que usa a superexposição e a popularidade para veicular as mentiras e imundícies mais ardilosas jamais divulgadas desde que o mundo existe…
São quase duas horas de vídeo (compilação do primeiro dia de palestra, na Missão Reluz) onde tento fazer a exposição clara de tudo que o Senhor Deus tem me permitido aprender ao longo dessa minha jornada de aprendizado em defesa da fé genuína e… ainda tive que suprimir muitas coisas.

1 de abr de 2012

ditadores
Tive oportunidade de analisar minuciosamente uma das mais magníficas passagens proféticas da Bíblia, a saber:
“E disse-lhes uma parábola: Olhai para a figueira, e para todas as árvores; Quando já têm rebentado, vós sabeis por vós mesmos, vendo-as, que perto está já o verão. Assim também vós, quando virdes acontecer estas coisas, sabei que o reino de Deus está perto. Em verdade vos digo que não passará esta geração até que tudo aconteça.” (Lucas 21:29-32)
Classifico essa passagem como magnífica pois, em primeiro lugar, é uma das que foram ditas pelo próprio Senhor Jesus Cristo e, em segundo lugar, porque nos revela uma forma de detectar se Seu retorno está próximo, na geração vigente, ou não.
Não sei em outros países, mas no Brasil (em especial no litoral) o “verão” é tido como uma boa estação, vinculado a coisas como alegria, viagens, aventuras: foi meio estranho, até para mim que amo o outono e o inverno, compreender o vínculo entre a chegada do reino de Deus — a saber, o “fim do mundo” como o conhecemos — e a estação quente, quando o mais natural seria pensar em “fim” como “noite” ou “inverno”…
Porém é tudo tão milimetricamente perfeito que até a referência ao “verão” vai encontrar razão de ser, talvez até redundante, se formos olhar os fatos mundiais correntes, pois, como foi ordenado, devemos olhar a figueira E (ou seja, além dela) todas as outras árvores!!
Sabendo que a figueira é, biblicamente, a ilustração para Israel, vamos começar falando da recente “primavera árabe”, que sacudiu com violência muitas das árvores ao redor do quintal onde a figueira está plantada.

25 de mar de 2012

biometricleader
Duas quintas-feiras depois do carnaval juntei coragem e saí de casa rumo ao DETRAN-RJ… no final das contas, já estou até me acostumando a ser chamado de maluco e eles não poderiam fazer pior que isso!
É óbvio que eventualmente paro para refletir sobre essa minha intransigência quanto ao registro biométrico de minha mão direita e tento encontrar algo que legitimamente me obrigue a passar por esse processo que, mediante um raciocínio baseado na Bíblia anteriormente apresentado, NÃO É a marca da besta, mas, mediante a compreensão que me foi dada, é um modelo precursor para que tal obrigatoriedade se implante com o mínimo de impacto.
Então penso na tribo de índios que, por crer que as fotos têm a capacidade de roubar almas, são respeitadas em suas crenças e liberadas (até pelo TRE) desse procedimento documental corriqueiro.
Igualmente penso nos testemunhas de jeová que (não vou discutir), por uma interpretação claramente equivocada da lei veterotestamentária, apresentam grande resistência às transfusões de sangue, mesmo que isso possa implicar na perda de vidas humanas: é uma questão polêmica, mas se levanta em torno disso a bandeira do direito religioso…
Tem também o caso dos praticantes do baixo espiritismo, que costumam sacrificar animais em seus rituais… e até esses, acolhidos pela bandeira da não discriminação, encontram respaldo legal para suas práticas!
Aí venho eu, o tonto, pego um livro que (muitos não gostam e) foi a base de toda a cultura judaico-cristã que impulsionou este mundo (ou, odeiem ou amem, não vivemos em 2012 DEPOIS DE CRISTO?!) e me deparo com a seguinte e clara profecia:
“E seguiu-os o terceiro anjo, dizendo com grande voz: Se alguém adorar a besta, e a sua imagem, e receber o sinal na sua testa, ou na sua mão, Também este beberá do vinho da ira de Deus, que se deitou, não misturado, no cálice da sua ira; e será atormentado com fogo e enxofre diante dos santos anjos e diante do Cordeiro. E a fumaça do seu tormento sobe para todo o sempre; e não têm repouso nem de dia nem de noite os que adoram a besta e a sua imagem, e aquele que receber o sinal do seu nome.” (Apocalipse 14:9-11)
Se não está compreendendo, por favor LEIA O TEXTO INDICADO antes de sair falando bobagem: não estou com paciência para ficar aturando contestadores sem argumento, que não passam de pessoas incapazes de pesquisar e ver que alguém já falou antes exatamente aquilo que (se imaginando “genial” ou “o heroico”…) está se dando ao trabalho de repetir…
E depois eu é que sou chamado de burro!

20 de fev de 2012

evolucaodomal
Mais uma vez, carnaval…
Estou quieto, em casa, sem mudar (ou mudando o mínimo possível) a rotina: estou tão sem paciência que tenho publicado até os comentários dos intelectualmente possessos sem responder…
Como deixei bem claro na série acerca das possessões, não aguento mais ficar me repetindo e, se nem uma simples pesquisa essas pessoas são capazes de realizar, que continuem crendo no que lhes convier.
Só decidi escrever essa postagem por ter me ocorrido uma nova ideia acerca do que anda acontecendo, em função do tempo, com a mente das pessoas desse mundo e isso vai exigir mais conversa do que aplicação direta da Palavra, mas… pode valer a pena.

31 de jan de 2012

escolha
4 — CONCLUSÕES
A maioria dos temas que relacionei neste texto, inclusive no capítulo anterior, JÁ FORAM EXPOSTOS e, para comprovar, fiz questão de indicar os links onde são abordados ainda mais especificamente, ou seja: não temos novidade alguma, mas ainda assim fiz tudo isso com dois objetivos:
  1. Provar que as pessoas de hoje são tão preguiçosas, principalmente os intelectualmente possessos, que não têm a capacidade de sequer realizar uma pesquisa no Google!!
  2. Ter um texto e um link para indicar a cada vez que me deparar com as perguntas e afirmações aqui demonstradas, de modo que o possesso intelectual ou emocionalmente possa ter uma chance de reconhecer seu comportamento e, quiçá, se arrepender.
Admito que acho muito improvável tal arrependimento, por conta do orgulho, do incômodo de renegar algo que lhe seja prático ou agradável…mas quem convence o pecador do pecado, da justiça e do juízo NÃO SOU EU e nem meus textos, mas apenas o Espírito Santo e somente através da exposição da genuína Palavra de Deus!
Ao chamar de “ação do Espírito Santo” as ações satânicas aqui relacionadas, os “evangélicos crentes gospel” acabam correndo grande risco, pois já estava escrito:
“Ai dos que ao mal chamam bem, e ao bem mal; que fazem das trevas luz, e da luz trevas; e fazem do amargo doce, e do doce amargo!” (Isaías 5:20)

18 de jan de 2012

verdadeirabatalha
Ressaltando que as principais características da “possessão emocional” foram analisadas anteriormente, passaremos a destacar agora alguns sinais típicos — e fáceis de encontrar naqueles que ou estão em franca rebeldia ou NÃO TÊM O ESPÍRITO SANTO habitando em si — revelados através de manifestações (incrível e exaustivamente repetidas) tanto na vida real quanto nas redes sociais.
2.2.1 — SÓ MALUCO NÃO PODE SER CONTRARIADO
Esse é um trabalho de esclarecimento antigo que já rendeu alguns artigos no decorrer dos anos — dos quais, fora o já citado “nugget espiritual”, destaco abril e maio de 2009 — e continua como se nunca nada houvesse sido registrado…
Ao menos se destacaram os dois mais comuns perfis das pessoas capazes de incorrer nesta prática:
  1. Aqueles que vivem de “clichês bíblicos” e não conhecem o suficiente da Palavra de Deus para poder sustentar sua fé;
  2. Aqueles que até conhecem a Palavra de Deus… mas deixaram de crer tanto nela quanto em Deus, passando a lucrar com a ignorância daqueles sobre quem exerce domínio.
Ambos os grupos demonstram completa aversão à palavra “EXORTAÇÃO”, como se o ato de exortar fosse antônimo superlativo da palavra “AMOR” e comparável às torturas da inquisição…

15 de jan de 2012

Minha colaboração anterior neste blog foi sobre as adivinhações “de ano novo” e creio ser uma premissa interessante para discutirmos a diferença entre essas “adivinhações” e as verdadeiras profecias, aquelas sobre as quais temos certeza.
Sim, porque a Bíblia, única fonte confiável de informações sobre o futuro, contém mais de 6000 referências proféticas, muitas das quais cumpridas cabalmente, nos mínimos detalhes!
Por exemplo: o nascimento, a vida a morte de Jesus; o zênite e a queda de Israel, e seu posterior ajuntamento na terra prometida, milhares de anos depois… e muitas outras. Por isso podemos ter absoluta confiança nela.
Mas quem confia em adivinhações… está perdido, como é o caso dos falsos profetas que denunciamos na postagem anteriormente.
Assim como as adivinhações de videntes, astrólogos e cartomantes, dizemos o mesmo dos que tentam prever o futuro e dar suas profetadas: a cada ano se repete o fiasco da falha do seu cumprimento!
Este artigo, compilado e editado a partir da revista Chamada da Meia Noite, esclarecerá ainda mais este assunto.

9 de jan de 2012

possessoes01
   O termo “possessão” é, sem dúvida alguma, dramático.
   A maior parte da humanidade imagina, ao mencioná-lo, pessoas de olhos virados, com vozes estranhas e apresentando toda uma variedade de outras possíveis características anormais… porém nem sempre é dessa forma!
   Ao contrário da ação do Espírito Santo, que existe (ou não), a partir do momento que o indivíduo se converte (ou não) e está completamente sujeita ao controle consciente do cristão; a possessão pode ser detectada em diferentes tipos de comportamento de qualquer um — com boas ou más intenções — que não tenha passado por uma experiência legítima de conversão ao cristianismo.
   Outra prerrogativa para se prosseguir é saber que TODA POSSESSÃO É MALIGNA, ou seja, não existe a mínima possibilidade de que tal processo seja operado por Deus ou por qualquer ser (anjos?) a Ele subordinado.

5 de jan de 2012

newyear
   Acordou desanimado naquele primeiro dia do ano.
   Dormira mal por estar fora de casa e o mundo inteiro parecia estar de ressaca por conta dos excessos enquanto ele, incomodamente desperto e consciente, ouvia vir da rua os últimos sons das festas que teimavam em perdurar até aquela hora… talvez esperando para ver os primeiros raios de um sol que, ao menos naquele dia chuvoso, não iria surgir.
   Mesmo com os céus se desfazendo em água, o calor ainda era incômodo o suficiente para que o suor de seu corpo deixasse os lençóis úmidos, dificultando ainda mais que reconciliasse ao sono.
   Cansou de se revirar e, para não acordar a esposa com sua agonia, levantou e foi para a sala: considerou que assistir TV poderia distraí-lo…
   Ligou o aparelho e, num ato mecânico, sintonizou o canal de notícias: as imagens do réveillon se sucediam, apresentando os mais diversos lugares ao redor do globo, fogos de artifício — em pleno século 21 o ser humano, tão “evoluído”, ainda precisa se utilizar dos métodos primitivos de barulhos e luzes para “espantar os maus espíritos”? — venenosos e sempre matando ou ferindo alguém (até os inocentes), os mesmos repetitivos e vazios votos de “feliz ano novo”1