4 de mar de 2011

O TEXTO ABAIXO FOI ESCRITO SOB PERSPECTIVA ESTRITAMENTE BÍBLICA,
PARA O PÚBLICO QUE TEM NA BÍBLIA SUA REGRA DE FÉ E VIDA.

QUAISQUER OUTRAS OBRAS OU CITAÇÕES SERÃO APENAS CONSIDERADAS COMO "OBJETO A SER ANALISADO".
SE FOI EDIFICADO, COMPARTILHE!
EM QUAISQUER OUTRAS CONDIÇÕES: LEIA OBSERVAÇÕES NOS COMENTÁRIOS.

   Rick Warren adotou um conceito humano típico do crescimento da igreja e do crescimento espiritual, visto que as normas que escolheu na determinação do êxito mostram uma base doutrinal muito pobre.
   O seu evangelho não-ofensivo foi defendido de uma maneira tão vaga que, do ponto de vista humano, é aceitável virtualmente por toda a gente. As pessoas não são ofendidas por ele, porque o pecado e as terríveis consequências da ira de Deus sobre os pecadores, não são mencionados.
   O significado completo da morte de Jesus na cruz, onde Ele verteu o Seu sangue e deu a vida para servir a pena de morte de Deus sobre os pecadores, (Romanos 6:23) não é explicitamente proclamado.
   Dave Hunt comenta com muito acerto: “Falta ali por completo algo com que convencer o pecador da sua rebelião contra Deus e do próximo julgamento… Falta ali por completo a explicação do preço que Cristo pagou na cruz pelo pecado”. Embora se mencione a cruz, não são explicadas todas as implicações da morte substitutiva de Cristo.
   O que Rick Warren proclama de fato é uma identificação geral com Jesus Cristo, e as numerosas bênçãos que Ele tem em reserva para nós.
   O Cristianismo é apresentado de maneira tão positiva e benéfica, e feito tão aceitável pelos pecadores com a sua associação à música moderna e aos métodos mundanos de motivação espiritual, que grandes multidões são atraídas para a igreja.
   O vasto fluxo de gente para as mega-igrejas, assim como o grande aumento de receita das congregações, são interpretados como reavivamento espiritual e como um novo movimento reformador.
   São verdadeiramente os grandes aumentos em números e receita, indicações de crescimento espiritual?
   Será que a avaliação destes critérios é uma norma aceitável para determinar a verdadeira espiritualidade?
   Não há uma grande diferença entre a classificação humana e a classificação divina de um assunto?
   Como sabemos se um determinado dirigente da igreja, como ser humano, é realmente dirigido pelo Espírito de Deus e obedece aos princípios das Escrituras ao tomar decisões e ao fazer afirmações?
   Por favor, consideremos os seguintes erros graves que os seres humanos podem cometer ao julgarem assuntos segundo os seus próprios valores e interesses:
   A promoção de doutrinas humanamente determinadas que não refletem o verdadeiro significado das Escrituras é um exercício fútil, pois não é aceitável pelo Senhor:
   “Em vão Me adoram, ensinando como doutrinas os comandos dos homens.” (Mateus 15:9)
   Nós estamos profundamente dependentes do Espírito Santo para nos guiar em toda a verdade (João 16:13), pois apenas a verdade da Palavra de Deus nos pode libertar do pecado e da decepção (João 8:32).
   Quando usamos os livros de certos autores, devemos em primeiro lugar verificar se eles nos apresentam exposições bíblicas sãs (1 Pedro 2:2).
   As doutrinas falsas, muitas vezes, gozam de grande aceitação social e eclesiástica e podem se tornar tão populares e tão firmemente estabelecidas que muitos pastores as proclamam para garantir popularidade, grandes congregações e receitas.
   Isto resulta em que muitas pessoas sejam enganadas pelo baixo nível de um evangelho distorcido.
   “Pois o dia virá em que eles não aceitarão doutrina sã, mas, de acordo com os seus próprios desejos e porque têm ouvidos ávidos, procurarão para si mesmos professores; e afastarão os ouvidos da verdade e escutarão fábulas.” (2 Timóteo 4:3-4)
   Os professores Walvoord & Zuck (Comentário do Conhecimento Bíblico), dizem o seguinte acerca desta escritura: “Paulo estava preocupado com o perigo das heresias afastarem as pessoas da verdade de Deus”. Nós estamos investigando cuidadosamente as doutrinas antes de as aceitarmos em boa fé e de expormos as nossas congregações ao seu conteúdo? Parece que não…
   A verdade acerca do evangelho de Jesus Cristo, bem como as pessoas que o proclamam, não são aceitas pelo mundo a maior parte das vezes (João 15:18-20).
   A aclamação do mundo é dirigida usualmente àqueles que diluem e distorcem a Palavra para torna-la socialmente mais aceitável.
   Os pregadores que sucumbem à pressão da aceitação social colocam-se sob o julgamento de Deus:
   “Ai de vós, quando todos os homens falam bem de vós, pois o mesmo fizeram os seus pais aos falsos profetas." (Lucas 6:26)
   Do ponto de vista humano, as riquezas materiais, a posição social e a fama não são consideradas por Deus virtudes espirituais.
   Para Ele é uma abominação quando as pessoas justificam e seguem tais coisas descrevendo-as como bênçãos de Deus:
   “Vós sois daqueles que se justificam perante os homens, mas Deus conhece os vossos corações. Porque aquilo que é altamente estimado entre os homens é uma abominação aos olhos de Deus.” (Lucas 16:15)
   A Bíblia Viva diz:
   “Os vossos pretextos trazem-vos honra da parte dos homens, mas são uma abominação aos olhos de Deus.”
   Os critérios seculares para obter êxito podem ser espiritualmente muito enganadores.
   A igreja aceitável e financeiramente próspera do tempo do fim é julgada pelo Senhor Jesus do seguinte modo:
   “Portanto, porque estais mornos, e nem frios nem quentes, Eu cuspir-vos-ei da minha boca. Porque dizeis – Eu sou rica, tornei-me rica e não tenho necessidade de coisa alguma – e não compreendeis que sois desgraçadas, miseráveis, pobres, cegas e nuas.” (Apocalipse 3:16-17; veja também 1 Timóteo 6:7-12).
   Prêmio Igreja Saudável
   Aos dirigentes das igrejas que seguem Rick Warren é dito que, se seguirem a sua campanha e agirem como outras que o fazem, crescerão 20% por ano em presenças e dinheiro. E então serão olhadas como congregações “saudáveis”, candidatas ao prêmio.
   A igreja em Laodicéia certamente teria se qualificado para este prêmio, pois era muito rica e saudável! Mas, espiritualmente, falhou na prova, porque o reino de Cristo opera com outros princípios (Apocalipse 3:15-18): o Senhor Jesus não se importa com números ou dinheiro, mas está interessado em corações mudados e vidas santas.
   No que diz respeito a números, Ele afirma que são poucos aqueles que estão realmente salvos (Lucas 13:23-24).
   Decepção doutrinária
   No entanto, na Bíblia, a pureza de doutrina é da maior importância:
   “Quem quer que transgrida e não cumpra a doutrina de Cristo, não tem Deus. Aquele que permanece na doutrina de Cristo tem tanto o Pai como o Filho.” (2 João 1:9)
   Os professores Walvoord & Zuck (Comentário do Conhecimento Bíblico, págs. 907-908) dizem o seguinte a respeito desta escritura:
   “Quem quer que transgrida e não permaneça na doutrina de Cristo não tem Deus. Estas palavras sugerem fortemente que o apóstolo estava pensando no abandono da verdade por aqueles que dantes se agarravam a ela… Uma pessoa que não continua numa coisa, evidentemente que esteve por algum tempo nessa coisa. Os autores do Novo Testamento eram realistas quanto à possibilidade de cristãos caírem vítimas da heresia, e os avisaram contra isso… João tinha acabado de avisar os seus leitores da possibilidade da perda da recompensa (2 João 1:8). E assim os cristãos foram avisados para não irem além dos limites de sã doutrina, mantendo-se onde estavam no ensino acerca de Jesus. Nos desviarmos da verdade é deixar Deus para trás… e Deus não está com uma pessoa que faz isso. O que essa pessoa fizer, fará sem Deus… Em contraste com o abandono da verdade, ‘Aquele que permanece na doutrina de Cristo tem tanto o Pai como o Filho’. Isto diz-nos que Deus está com aqueles que persistem na verdadeira doutrina sobre Cristo” (Versão da NKJV).
   Onde é que Rick Warren tem os pés assentes relativamente à doutrina de Cristo?
   Bob DeWaay, da congregação Twin City em Minneapolis, afirma no seu Comentário de Assuntos de Crítica, de Jan/Fev. 2005:
   “O livro de Rick Warren sobre a Vida Movida por Propósito, nunca explica a justificação pelo sangue no contexto do evangelho da salvação. Jesus louvou os vitoriosos – as pessoas são vitoriosas por causa do sangue do Cordeiro. Visto que os leitores e seguidores de Rick Warren não ouvem nada dele sobre a justificação pelo sangue ou sobre a ira de Deus contra o pecado, eles não têm maneira alguma de se tornarem vitoriosos.”
   Qual é a vantagem da doutrina, se ela não conduz à justificação e à santificação?
   Ela pode dar apenas às pessoas uma espécie de santidade, bem assim como uma auto-imagem positiva, como em Laodicéia, que foi totalmente rejeitada pelo Senhor Jesus.
   Misticismo oriental
   Estas sessões de meditação nos seus seminários são apenas o topo do iceberg. No seu livro A Hora da Partida – Como uma Unidade Universal Está a Mudar a Face do Cristianismo, Ray Yungen indica que as orações contemplativas ou centralizadoras estão invadindo grandes setores do Cristianismo onde a oração é substituída por esta prática mística: ela oferece às pessoas experiências estranhas de “outro Jesus” dentro delas (o Deus interior) e conduz também a estados de consciência de alternativa, que constituem a base da falsa espiritualidade.
   Sandy Simpson diz em seu site que a vasta introdução da oração contemplativa vai, certamente, ser o prego final na urna da igreja enganada moderna.
   Rick Warren conseguiu a cooperação de Ken Blanchard para o ajudar no treino de dirigentes em Saddleback: existem fortes evidências de que Blanchard aderiu ao grupo místico contemplativo da Nova Era e poderiam ser citados vários exemplos desta devoção à espiritualidade mística: ele escreveu o prefácio dos livros de Jim Ballard (O que Faria Buda a Trabalhar e A Mente como Água). Também escreveu o prefácio do livro sobre clarividência, de Elle Ladd (Morrer e Partir).
   Ken Blanchard não dá qualquer desculpa quando afirma que se pode ganhar muito com o Budismo. Tanto ele como a esposa encorajam e praticam yoga e meditação com mantras.
   Enganados de propósito
   Não tem qualquer elemento de contraste de um demónio com todos os seus poderes de decepção e, portanto, nenhuma maneira de resistir ao mal e ao engano.
   Robert Schuler disse: “Concentrai-vos no que é positivo. Se aceitardes Jesus Cristo como salvador… nunca tereis de vos preocupar com o diabo".
   Rick Warren faz eco desta afirmação no seu livro, quando declara: “Ajuda-nos saber que Satanás é inteiramente previsível” (pg. .203).
   No final do seu livro, Warren Smith faz os seguintes comentários sobre Rick Warren e o seu ministério Movido por Propósito:
   “A trabalhar com a eficiência de propósito de uma corporação estritamente dirigida por Peter Drucker, Rick Warren e a sua aliança global de dirigentes cristãos e organizações, estão desviando metodicamente a Igreja para fora do campo do Cristianismo bíblico a caminho da fronteira da Nova Espiritualidade…
   Não é demasiado tarde para Rick Warren reconhecer que foi altamente enganado pelas teorias mundanas de Robert Schuler. Ele podia abrir os olhos de muitas pessoas se começasse a expor as diferenças entre o Cristianismo bíblico e as teorias enganadoras da Nova Era e da nova espiritualidade…
   Ele podia fazer Walsch e outros dirigentes da Nova Era compreenderem que o ‘território’ espiritual do que acreditamos não vai ser alargado, expandido, alterado ou transcendido em nome da Nova Espiritualidade, de Jabez, ou de qualquer outro.
   Rick Warren podia tornar claro que não necessitamos de qualquer nova revelação, porque já nos foi dado tudo o que precisamos saber, em Escrituras devidamente traduzidas e no nosso relacionamento com o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. Ele podia esclarecer sem a mínima dúvida, que Deus não está em todos e em tudo, e que nós nunca aceitaremos os ensinamentos de uma nova espiritualidade…

   Se Rick Warren fizesse estas coisas, ele podia edificar e encorajar grandemente o corpo de Cristo. E então estaria verdadeiramente lutando pela fé, como somos instruídos a fazer.
   Ao desmascarar os estratagemas e artifícios do nosso cada vez mais agressivo adversário, ele podia evitar que muitas pessoas sejam enganadas. E podia tornar claro que, embora desejemos fazer todo o possível por ajudar o mundo, não vamos permitir que a nossa fé ou o Evangelho sejam comprometidos ao faze-lo.
   Mas, no momento, não parece que Rick Warren tencione mudar de curso, queira publicar os tão necessários avisos pormenorizados e venha seriamente a lutar pela fé.
   É triste que, se Rick Warren e outros dirigentes cristãos caírem nas malhas dos estratagemas e artifícios da Nova Era, em vez de os exporem, afundarão consigo próprios números sem fim de pessoas sinceras.
   Serão os cegos guiando os cegos, ao caminharem mais e mais para dentro do enganoso abismo da Nova Era e sua espiritualidade.
   Os Cristãos sem discernimento, que julgam estar a caminhar no caminho estreito preparando o caminho para Jesus Cristo, podem descobrir tarde demais que, de fato, estão caminhando na estrada larga e preparando o caminho para o Anticristo.
   Não é demasiado tarde para avisarmos toda a gente, mas devemos faze-lo antes que o engano avance ainda mais.
   Como já vimos, há outro Jesus, outro cristo, outro espírito e outro evangelho operando hoje no mundo.
   A Igreja não deve continuar caindo vítima do engano.”

Warren Smith: Enganados de Propósito: As Influências da Igreja Movida por Propósito, Conscience Press, 2004 p.168-170).
   Um evangelho sem alma
   Esta atitude positivista pode resultar em grandes congregações onde as atrações mais importantes são a “excitante” música contemporânea (incluindo o “rock cristão”) e a pregação não-ofensiva na forma de prédicas motivadoras que agradam pessoas de todas as persuasões doutrinárias.
   Mas os sermões que não refletem os princípios básicos do Evangelho de Cristo, são descritos como fábulas ou mitos (2 Timóteo 4:3-4). São veículos para a introdução do espírito do engano nas congregações Cristãs (2 Tessalonicenses 2:10-12).
   Desta maneira, a verdadeira mensagem do Evangelho é rebaixada e eventualmente silenciada. Através de pregação desta natureza, as pessoas são privadas do seu armamento espiritual, de que necessitam para poderem enfrentar as ciladas do diabo (Efésios 10:12).
   Um evangelho sem alma, em que se dizem muitas coisas boas sobre o Senhor Jesus ao oferecer as Suas bênçãos a todos os cristãos, mas sem mencionar as destrutivas consequências do pecado nem o futuro negro dos pecadores no contexto da ira de Deus sobre os mesmos, não pode ser de qualquer vantagem real.
   Ainda mais, ele não conduz a uma apreciação sã da natureza da morte de Cristo na cruz para o perdão dos nossos pecados.
   E também não tem valor prático como diretiva na vida, uma vez que todos os aspectos negativos (como o engano espiritual, o aumento das forças anti-cristãs e o papel dos falsos profetas) são evitados e deliberadamente ignorados.
   No seu livro (Enganados de Propósito: As Influências da Nova Era na Igreja Movida por Propósito) Warren Smith confirma, sem sombra de dúvida, as influências da Nova Era no ministério de Rick Warren e nos seus livros.
   No contexto da frase “um pouco de fermento fermenta toda a massa” (Gálatas 5:9), Smith refere-se a várias distorções no livro de Warren, em que muitas vezes ele tira conclusões que são contrárias ao verdadeiro significado das Escrituras: o evangelho é apresentado de tal maneira que as pessoas fazem uma descoberta positiva de si mesmas sem serem convencidas dos seus pecados.
   E isso reflete as ideias de Robert Schuler sobre a auto-estima, assim como o teor da Oração de Jabez de Bruce Wilkinson, em que o alargar e a expansão dos interesses pessoais constituem o conceito-chave.
   Rick Warren também se refere a autores Nova Era, para ilustrar algumas das suas afirmações.
   O resultado final é um evangelho que soa bem, com base no conceito do pensamento positivo de Robert Schuler e Norman Vincent Peale.
   Rick Warren associa-se abertamente com a meditação, que ele apelida de “oração contemplativa” ou “oração respirada”, utilizando-a em alguns dos seus seminários de treino de pastores, a par de exercícios yoga de relaxamento: isto são práticas místicas estranhas de origem oriental.
   Em Comentários de Assuntos de Crítica (ibid.) afirma-se:
   “Rick Warren compromete-se com os pagãos, tal como as igrejas que Jesus admoestou em Apocalipse 2 e 3. Ele utiliza princípios pagãos no seu programa SHAPE, que foi inspirado pelas teorias duvidosas de Carl Jung. Ele ensina práticas pagãs de ‘oração’ como ‘orações respiradas’, que se destinam a induzir estados alterados de consciência. Ele consulta complacentes como Robert Schuler, e encoraja outros a fazer o mesmo.”
   O principal objetivo de Rick Warren não é a pureza de doutrina, mas sim o crescimento exterior da igreja.
   Ele diz que a doutrina tem tão pouca importância, que Deus nem mesmo pergunta por ela:
   “Deus não vos vai interrogar sobre a vossa bagagem religiosa ou opiniões doutrinárias”
Uma Vida com Propósito, p.34
   Ele se recusa a ser atraído a discussões sobre este tópico e não tem quaisquer problemas com as doutrinas de outras igrejas ou seitas, se elas implementarem os seus métodos de crescimento.
   Rick Warren é incansável na sua avaliação do crescimento da igreja e apresenta também a sua congregação – a congregação Saddleback – como um modelo para as outras. Ele afirma: “A Igreja Saddleback é agora apenas uma entre milhares de igrejas Movidas Pelo Propósito, a vanguarda de uma nova reforma”.
   As igrejas que copiam com mais êxito as ideias de Rick Warren, são premiadas com o Prêmio Igreja Saudável.

Related Posts with Thumbnails